Dr. Paulo Salem http://paulosalem.com Doctor of Computer Science Sun, 24 Dec 2017 20:49:30 +0000 en-US hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.9.4 135792493 Everywhere and nowhere: the neglected role of environments http://paulosalem.com/2017/11/25/everywhere_and_nowhere_the_neglected_role_of_environments/ http://paulosalem.com/2017/11/25/everywhere_and_nowhere_the_neglected_role_of_environments/#respond Sun, 26 Nov 2017 00:04:54 +0000 http://paulosalem.com/?p=510 The picture is from a building in (probably East) Berlin, which I took sometime in 2009. Is this a reminder of bygone Communist regime brutality or a critique of the gargantuan Capitalist corporations that took over?

I have been recently working with a number of major corporations, entities ruled by processes and intricate relationships, which reminded me of the importance of considering the environmental aspects of human behavior — and the costs of neglecting them. It is true that much has been said about how a person’s environment is essential to determine his or her behavior. Everybody seems to agree that an individual’s fate is, in the end, shaped by where the action takes place, even if they disagree on the precise reasons. Communists will tell you how a Capitalist system oppresses and alienates workers, whereas Libertarians will argue passionately about how free-markets under the rule of law are the engines of freedom and prosperity for all.  However, when it comes to understanding the details of what environments are, this interest largely evaporates. Alas, if one can’t grow it, one does not really understand it [1].

Refined models target, for the most part, either the individual agent or specific aspects of environments. Psychology is supposed to be the great general science of individual human behavior [2], but what is the general science of human environments? As far as I can tell, Sociology is way too informal (and politically biased) to fill this role, with the exception of Social Network Analysis, which is too specific in its capabilities, and Agent-Based Modeling, which is really a part of Multi-Agent Systems (see below). Economics does address many environmental issues in barely precise terms, particularly through Macroeconomics, but its scope is limited. Not everything — thankfully — is about the production, consumption and exchange of goods.

My own interest in this matter arose from the behaviorist literature and its radical emphasis on observable behavior. This quickly leads to the consideration of the role of environments, since observation is something that takes place outside organisms. As a Computer Scientist, the next question that comes naturally is how this induces concurrent behavior. Nobody outside Computer Science has a general answer for that; Computer Scientists, it turns out, have it. Sadly, however, they themselves are not quite aware of that. Most of my peers act as if Computing is only about computers, machines, abstract Math and the like. The reason why they are so good in understanding concurrency while everyone else fails miserably is that, when programming computers, nothing will work properly unless one considers all the intricate details of the interaction between processes. Yet, once we step outside the realm of programming, this expertise vanishes as if a curse had been cast upon us! Few seem to realize the potential that the field’s developments hold as core parts of other sciences, not only as auxiliary tools. Laymen can be forgiven for having this view, but for professionals this is truly a disgrace. There are wonderful theoretical tools in concurrent systems, particularly with respect to process algebras (e.g., π-calculus, CSP and their many extensions), that are completely ignored by the vast majority of scientists, engineers and practitioners that could derive untold enlightenment from them. Ironically, part of this may well be due to environmental issues (e.g., how university departments are organized) [3], but we can’t really know without experimentation, since we don’t have the necessary tools to imagine.

There are exceptions. Notably, a lot of people in Artificial Intelligence (AI) and related fields get the deep relationship between Computer Science and other sciences. Nevertheless, they have mostly ignored environmental aspects too. In  Artificial Intelligence: A Modern Approach (2ed.), one of the most popular textbooks in the area, about 8 pages (Section 2.3) among 1000 are dedicated to the topic. Multi-Agent Systems people, a subgroup within AI, are perhaps those that can best appreciate such aspects, and yet even they have not invented many general environmental representations, having focused mostly on specific cases of interaction (e.g., argumentation, distributed problem solving, auctions, etc.). This might be a controversial statement, but another textbook example helps to support the case: in An Introduction to MultiAgent Systems (2ed.), well-known in the field, the word “environment” is not listed neither at the Glossary nor at the Index. The place where agents live doesn’t get its own noun, it is not considered worthy of reification! In my research I have attempted to address this (local download), following the lead of a few others. My developments are not conclusive, there is much work to be done, but I’m confident that it shows that considerable potential lies in seeing things this way. My contribution is in making this possibility more practical and concrete, but the key fundamental insight, which we can all thank Robin Milner for, is that communication is not a specific kind of computation, but a general way of seeing all computation [4]. It follows that all the complexity that we see in individual agents can be stated in terms of environmental concepts. This is amazing, isn’t it? It takes time and reflection to appreciate the implications; it certainly did for me, as the research for my thesis gradually shifted from agents to their environments, where I actually got my best results. Further shifts and generalizations were in order, but my career moved elsewhere.

Here are some ideas that come naturally once we realize that the world can be modeled in this manner:

  • Large corporations and governments, owing to their size, must be ruled by processes. Unfortunately, probably everybody knows just how crazy such processes can get. What if we could, at the push of a button, detect insane and unforeseen consequences of complex bureaucratic processes before they can cause harm? There is absolutely no technological issue here, it is a matter of properly stating the problem and building tools on top of existing technology and theory.
  • Endless economic debate could be settled by simply modeling and analyzing the interaction of economic agents, instead of using (in the best case) excessively abstract and biased Macroeconomics or (in the worst case) cheap ideology. Granted, it is far from obvious just what such a model would look like, but it is certainly something that should be a central part of Economics research. Unfortunately, Economists typically (though not always) know nothing of Computing, and Computer Scientists typically know nothing of Economics.
  • Architecture and Urban Planning could be revolutionized. From single homes to entire cities, every space of human interaction could be designed to optimally support precisely defined patterns of interaction. Conversely, existing spaces could be properly understood and improved.

In summary, by neglecting the obvious, we are possibly giving up a much more relaxed professional life, in a much richer world, in vastly more agreeable homes and cities — at the least. How can this be? A generous explanation is that perhaps in virtue of their omnipresence, environmental aspects disappear, just like air. A less generous one is that we are really bad at disseminating Computer Science knowledge, both through our own ranks and through society in general. Psychologists (it sounds insane, after all) or Economists (maybe there is a market failure or an opportunity cost here), this time well within their element, might have more satisfactory answers. What I do know with some conviction is that, while this state of affairs puzzles me, we should all start paying much more attention to and spending more resources on understanding, modeling and analyzing our environments as objects of interest in their own right.

 

Notes:

[1] The converse, however, is not true. Just because one can simulate something, it does not follow that it relates to anything real. This is a major open issue in Multi-Agent Systems simulation.

[2] It is true that environmental influences are accounted for, but only insofar as they help to explain the behavior of individual agents. Social Psychology, for instance, cares for the environment only because it can help to address the local conditions of specific agents. Even approaches derived from behaviorism seem to consider mainly how the environment shapes each individual agent. Consider, for example, the infamous Skinner box. It is as if the rest of the interactions among organisms that follows from individual behavior is then a simple affair.

[3] Cognitive limitations are also fundamental here. Nevertheless, the environmental problem remains: how can people be organized so that they can work optimally given the nature of the human intellect?

[4] Mathematically, this means that a process algebra such as the π-Calculus is as expressive as a classical computation model such as the Lambda Calculus or the Turing Machine.

]]>
http://paulosalem.com/2017/11/25/everywhere_and_nowhere_the_neglected_role_of_environments/feed/ 0 510
“Taste our books”: An Extraordinary Recommender System at Garret Street http://paulosalem.com/2017/07/23/taste-our-books-an-extraordinary-recommender-system-at-garret-street/ http://paulosalem.com/2017/07/23/taste-our-books-an-extraordinary-recommender-system-at-garret-street/#respond Sun, 23 Jul 2017 19:19:51 +0000 http://www.paulosalem.com/?p=436 Last month I was in Lisbon to present a paper (PDF here) at a conference on Human-Computer Interaction, so I took the time to visit Bertrand‘s main store at Garret Street, a famous local bookshop regarded as the oldest operating in the world. History alone is of course a good reason to go there, but it is not the only one. Physical stores in general remain a great sensorial experience, if not always a convenient or economic one, and it is safe to assume that most online shoppers do miss the material interaction with goods.

One critical advantage of online bookshops is their personalization capability. For instance, a user who has bought books about Italian food may be interested in Greek food too, even though he or she never actually looked into it. In this manner, highly customized and relevant suggestions can be provided on an individual basis, contrary to the collective approach taken in a traditional store. This is often interpreted as equivalent to maximizing the overall quality of recommendations that users receive. Ultimately this may prove to be true, but I don’t think current technology is so advanced, despite the impressive relevance of recommendations one gets from Amazon and other online retailers.

For some years now I have noticed that visiting bookshops in different cities, particularly in different countries, allows for literary discoveries that would otherwise be entirely missed. This time, Bertrand’s carefully curated shelves taught me about José Vilhena, one of the greatest Portuguese satirists, whose texts seduced me in a few seconds, but that I had never heard about — neither from Amazon nor from anyone else. An extraordinary discovery as far as I am concerned. Needless to say, I bought some of his books at once. This was not the first time that Bertrand provided me with such discoveries, which is also why I keep coming back whenever I happen to be in Lisbon; a mechanism beyond mere chance is at work. It is amusing and instructive that they had just inaugurated a co-located coffee shop in which they invited customers to “taste their books.”

One can imagine a number of reasons why Bertrand and other excellent bookshops around the world have the extraordinary capability of  partly beating Amazon’s billion-dollar data analysis infrastructure. For instance:

  • Domain knowledge and reuse: contrary to a traditional recommeder systems, the shopkeeper has no cold-start problem; he or she might have spent years reading and studying various domains and will have a good idea of what is good or bad. Such a recommendation thus is a way to reuse of all this previous instruction and reflection.
  • Parallelization: while one may not share the taste of a particular person, it seems unlikely that there is no expert whose preferences are not relevant. Society can be seen as massively parallel computation and a good manager can tap into it.
  • Non-uniformity: people in different places will have different backgrounds and that should reflect in the recommendations one gets. This is why it helps to visit stores in different cities and countries.
  • Compositionality: expert knowledge can be composed and in this manner generate new classes of recommendations. A pupil inherits some of his masters’ characteristics and not only mixes them but also adds his own unique points of view.
  • Less over-fitting and more variety: since recommendations are not personalized, they are less likely to be too close one’s measured behavior (as part of collective behavior); hence, it is easier to stumble upon entirely unrelated topics. This introduces greater variety in one’s experience and the chance to find new interests. (On the negative side, it might introduce more bias as well.)
  • Navigation: It is just easier to navigate many different nearby options in a physical environment. That is to say, a real-time 3D environment of maximum resolution in which one can use any muscle for interaction is surely more effective than a humble computer screen.

Naturally, most of these characteristics can be transported to online environments. So why are they mostly absent there? Maybe in the rush to eliminate traditional disadvantages, they eliminated the advantages too. Maybe their present financial performance is so good that there is no pressure to really improve their algorithmic performance. Maybe current performance metrics are not really what I and other customers would like to optimize; in particular, popularity may be sure to bring profits, but certainly not wisdom. Maybe conceptual understanding of these principles is simply not sufficient. It is hard to say what the engineers behind these systems are thinking, so the latter point is especially interesting: surely it is fair to assume that some of these people are influenced by current themes and fashions. One such theme is the unreasonable effectiveness of data.

Enormous amounts of behavioral user data are certainly precious assets, but clearly insufficient to explore a user’s complete behavioral possibilities. After all, how can an algorithm recommend me Vilhena’s books if it has hardly seen any of its millions of customers buying it? In recent years it seems that this has been overlooked and many now think that so-called “big data” is all one really needs to learn about user behavior. However, I continue to be inclined to think that it is quality, not mere quantity, that really matters. Data is not always a commodity: much like the people generating it, data can be smart or dumb. My personal view is that sophisticated experimentation mechanisms can be a powerful way to collect high quality data. Smart data. That, however, is a topic of ongoing research beyond the scope of the present text.

I was fortunate enough to attend an incredibly relevant talk by Martijn Willemsen in the day right after my visit to Bertrand. There I learned that current technology for recommender systems is indeed quite imperfect as it ignores numerous aspects of human cognition. An example well-known by now is that quantity of choices does not always maximizes purchases — there is such a thing as the right amount. A less known fact, however, is that variety can improve user satisfaction, even at the cost of giving apparently inferior suggestions. A fascinating area, no doubt.

It is not always that a trip turns out to be so well-rounded. I guess it helps to keep looking for the right perspectives. Not only computers, but we too can benefit from experimenting with our immense world intelligently. Let us keep exploring.

]]>
http://paulosalem.com/2017/07/23/taste-our-books-an-extraordinary-recommender-system-at-garret-street/feed/ 0 436
Cats with lasers: the Mythos Entertainment System 1 http://paulosalem.com/2017/05/01/cats-with-lasers-the-mythos-entertainment-system-1/ http://paulosalem.com/2017/05/01/cats-with-lasers-the-mythos-entertainment-system-1/#respond Mon, 01 May 2017 23:24:00 +0000 http://paulosalem.com/?p=259
Mythos, the cat.

Dogs have been my favorite pets since I was very young — I had a female Basenji for many years in childhood — but life in a compact apartment can be hard for them. Furthermore, they require a lot of attention, which can be hard for us busy humans. Cats, however, do not pose such problems. These felines are known to be a highly independent and live perfectly well in relatively limited environments. Hence, when my girlfriend and I decided to have a new pet recently, we made a logical decision: we bought a Ragdoll cat. Perhaps to compensate for this cold rational calculation, we named her Mythos. In the few weeks since she arrived I have learned to appreciate cats’ many other virtues, such as cleanliness, curiosity and a certain untamed, elegant, hunting spirit.

People usually have pets for companionship and fun. I’m no different. But as a scientist who studied the computational properties of autonomous agents for years, I simply cannot resist the appeal of having a complex autonomous entity in a controlled physical environment at my disposal. Therefore, as soon as I decided to have a cat, I started conceiving ways to experiment with it.

In relation to our brief existence in this speck of cosmic dust, knowledge at our disposal is simply unbounded. Thus, it is wise to combine interests and opportunities to optimize the amount of beauty we can contemplate and create. For this reason, and also because I happen to be interested in learning more about electronics and robotics, for many months now I’ve been looking for an excuse to build an Arduino-based device. Mythos finally provided me with the motivation I needed.

MES-1 front view. The laser pointer is attached on the left, the infrared sensor is on the center-bottom. The Arduino controller is in a black case on the back. The whole thing stays together through bolts, beams, alligator clips and plastic fasteners.

Cats are hunters which, unlike clumsy dogs, operate with military precision: they enjoy mapping territory, tracking movement, ambushing targets — and finally chasing for the kill. The potential for electronic devices to provide them with relevant interactions is therefore enormous. Surprisingly, most commercial products I managed to find in pet shops are simply not worthy of these noble creatures. So I decided to create my own. The objective at that stage was to build something simple and yet somehow better than what I could purchase, to understand both the electronics and the animal behavior, and in this manner pave the way for more complex future inventions.

My first creation in this respect is the Mythos Enterteinment System 1 (MES-1).  It consists of a laser pointer controlled by a servomotor. An infrared sensor detects nearby movement (e.g., a cat) and an Arduino orchestrates the whole device. The infrared sensor is particularly important: there are laser-based cat toys around, but as far as I know none that can detect the cat; hence, MES-1 has a capability beyond commercial devices, which was one of my design goals.

Simple as this setup is, to make it work soon proved to be harder than I had anticipated, which demanded a number of iterations in the controlling software. A simple electronics project thus became the humble scientific investigation I wished for. Roughly, I had to go through the following four experiments in order to build a working system.

Cats are natural hunters.

Experiment 1

The first software I wrote would: move the laser to random points within the servomotor’s reach (almost always far from each other); as fast as possible; whenever the IR sensor fired.

Experimental hypothesis: I expected Mythos to jump like mad between these points, thereby having great and energetic fun.

Experimental result: Instead, she completely ignored the laser.

Conclusion: Either discontiguous movement, high or constant speed made the toy not fun at all.

Experiment 2

I suspected that the main culprit for the previous failure was the discontiguous laser movement. So I changed the software to pick contiguous points.

Experimental hypothesis:  Smooth, contiguous, laser movement will be enough to elicit Mythos’ hunting behavior.

Experimental result: She notices the laser, but does not chase it.

Conclusion: Contiguous movement seems to help, but in itself is not enough to elicit hunting behavior. And why should it? It is boring as hell.

 

Experiment 3

By then I felt very close to the solution. Perhaps all I needed was to add some randomization to the movement, while still keeping its contiguity. So I programmed the laser to randomly change its direction (i.e., from left to right and vice-versa) and speed.

Experimental hypothesis: Random, but still contiguous, movement will finally elicit Mythos’ hunting behavior.

Experimental result: She notices the laser, but again does not chase it. Indeed, she seems to have some trouble tracking it.

Conclusion: The randomization process induced an excessive speed. Change is good, but must be moderate.

Experiment 4

Finally,while still keeping all other improvements I: reduced the maximum speed the laser could move; and introduced some more generous and random pauses, to allow Mythos some time to focus on the target and prepare an attack.

Experimental hypothesis: Random contiguous movement, including some pauses, bounded by a certain upper velocity, will elicit Mythos’ hunting behavior.

Experimental result: She notices the laser and hunts it! For a few minutes, then she loses interest.

Conclusion: MES-1 works, though for short sessions of fun. This is such a milestone that the toy is now actually called MES-1.1. Mythos now has an annoying friend who, when she gets close, sometimes light her way.

 

There are other details about the final software that can be seen directly in the source program at the end of this text.

What can we learn from this

Mythos is having fun with the simple toy I made her, but I guess I’m the most amused one. A number of lessons can be learned from this exercise in cat entertainment. The most obvious are perhaps those related to cat behavior itself:

  • There is a very specific class of movements that elicits hunting behavior.
  • This class of movements can be decomposed into various aspects, each of which contributes in a different manner to the overall appeal.
  • Although the present class of movement is entertaining, one can expect other relevant components to be found in order to generate even more amusing movements.

Needless to say, these “discoveries” are not really scientific, as they relied on only one cat, in a controlled but still loose environment, with only a rough methodology in place and of vague reproducibility. Proper experimentation would be needed to make these observations really scientific. Nevertheless, what is in fact scientific is the higher-order process that induced all of this. Things that work are the final products of a scientific endeavor, which are often seen as science itself — and MES-1.1 does work. But science is more than that; a lucky idiot is not a scientist. Just like cats, what makes a scientist is not really the final kill, but the curiosity and methodology to get there. Under this light, I think the main lesson that can be taken from this is that it is possible, instructive and fun to incorporate scientific methodology and technology in everyday life. For computer scientists like myself, who normally rely only on software to express themselves, the interesting thing is really how easy it is, these days, to develop electronic devices to extend this vision to the physical environment.

Where to go from here

The Mythos Entertainment System 1.1 can be easily improved in many ways and this is also one of its strength in relation to present commercial offerings. With only a few program lines I can get a better product, whereas if I buy a black box I’m stuck with that, even if I happen to imagine ways to improve it. For example, some of my current ideas for improvements include the following:

  • Add different types of movement patterns and change between them through a Finite State Machine. Currently, state information is limited to a few simple variables that are updated by a single movement function.
  • Add some kind of Reinforcement Learning algorithm so that the toy can learn the cat’s preferences (e.g., of speed).
  • With a extra servomotor, I could also add a new movement axis, hence covering the whole floor.

Moreover, and most important, once I master the basic electronics and animal behavior, I can try bolder things. That’s why the System is numbered — I hope to build MES-2, MES-3, etc. For instance, I could build mobile robots for Mythos to chase around the house and also learn from that. I could build sophisticated experimentation systems to understand and control cat behavior more fully. I could, perhaps, eventually do the same with human behavior. The point is that creativity is self-reinforcing and continually builds the foundations for better things.

Tools for the creative imagination are of a very special kind, they are all ultimately toys, and appeal to the best of us. There are companies, many traditional and also newcomers, who get that. Technology, both in hardware and software, increasingly allow organizations to provide ever more powerful such tools. Indeed, more than ever, it is now a matter of mindset, not of resources. I try to keep mine sharp and I hope everyone else who can also actually does the same.

Specifications and source program

I did not produce schematic diagrams, but I can point out to the main electronic components used:

The program itself is quite small and for the purpose of this simple article there’s little point in uploading it to some source control system. Therefore, I merely copy the present version below. You may use this as you wish, but I’d appreciate proper credit through a citation.

/**
 * Mythos Entertainment System 1.1
 * 
 * Copyright (c) 2017 Paulo Salem. All rights reserved.
 */
#include <time.h>
#include <stdlib.h>
#include <string.h>
#include <Servo.h>

#define PIR_MOTION_SENSOR 8 //  to receive the signal from the module 
#define LASER  13 //the laser's pin
#define SERVO  9 // servo motor's pin

const unsigned int BAUD_RATE = 19200; // to use the serial monitor

int pauseEvery = 1000; // Pause every step that is a multiple.
int pauseLength = 10000; // in ms


Servo servo;  // create servo object to control a servo

int steps = 0; // movement steps executed so far

int pos = 0;   // variable to store the servo position

int movementDirection = 1; // 1 or -1, where the servo is moving to (left or right).

int movementDetectedCount = 0;


/**
 * Runs once on system startup.
 */
void setup() {

  servo.attach(SERVO);  // attaches the servo on pin 9 to the servo object

  srand(time(NULL));

  Serial.begin(BAUD_RATE);


  pinMode(PIR_MOTION_SENSOR, INPUT); 
  pinMode(LASER,OUTPUT);

  // Put in initial position;
  servo.write(pos);

  blinkLaser(); // Indicates that the system is starting
  turnLaserOff();

}


/**
 * Main system loop. Runs forever.
 */
void loop() {

  if(movementDetectedByPIR()){
    if(((steps + 1) % pauseEvery) == 0){ // + 1 prevents from pausing in step 0
      Serial.println("Long pause started.");
      turnLaserOff();
      // A pause here allows the cat to rest for some time and reduce
      // the chance it gets bored.
      delay(pauseLength);
    }
    else{
      play();
    }
    
  }

  delay(10);
  // Only turn the laser off if there is no more movement detected
  if(!movementDetectedByPIR()){
    turnLaserOff();
  }

  steps = steps + 1;
}


/**
 * Main function to make the system advance one step.
 */
void play(){
  double r = rand1();

  turnLaserOn();

  moveOnce();
}


/**
 * Defines the smalles movement pattern available, which lasts a finite amount of time.
 */
void moveOnce(){
  
  double r1 = rand1();
  double r2 = rand1();
  double r3 = rand1();
  
  int t = 10;
  int pauseT = 2000;
  
  float pauseProb = 0.01;
  float reverseProb = 0.1;
  
  int delta = 5;
  int minPos = 45;
  int maxPos = 90;

  // Should we pause a little?
  if(r1 < pauseProb){
    delay((int) (rand1() * pauseT));
    Serial.println("Paused.");
  }

  // Should movement direction change? 
  if(r2 < reverseProb){
    movementDirection = -1 * movementDirection;
  }

  // Ensure that the position of the laser is within allowed range.
  if(pos > maxPos){
    pos = maxPos;
    movementDirection = -1;
  }
  else if(pos < minPos){
    pos = minPos;
    movementDirection = 1;
  }

  // The movement magnitude varies randomly up to a maximum value.
  // The larger this is, the faster the total laser movement is.
  delta = movementDirection * ((int) (r3 * delta));
  pos = pos + delta;
  
  servo.write(pos);
  delay(t);
}


/** 
 * Detect whether there is movement in the PIR sensor's detecting range.
 *  
 * Returns: true is movement is detected; false otherwise.
 */
boolean movementDetectedByPIR()
{
  int sensorValue = digitalRead(PIR_MOTION_SENSOR);
  if(sensorValue == HIGH)  //if the sensor value is HIGH?
  {
    // Print in the Serial Monitor (Tools > Serial Monitor)
    Serial.print("Movement ");
    Serial.print(movementDetectedCount);                   
    Serial.println(" ");
      
    movementDetectedCount = movementDetectedCount + 1;
    return true;
  }
  else
  {
    return false;
  }
}


void turnLaserOn(){
  digitalWrite(LASER, HIGH);
}


void turnLaserOff(){
  digitalWrite(LASER, LOW);
}


/**
 * Makes the laser blinks briefly.
 */
void blinkLaser(){
  for(int i = 0; i < 10; i++){
    turnLaserOn();
    delay(200);
    turnLaserOff();
    delay(200);
  }
}


/**
 * Returns a random double between 0.0 and 1.0.
 */
double rand1(){
  //rand () returns a pseudo-random integer between 0 and RAND_MAX
  return (double)rand() / (double)RAND_MAX;
}

Suppliers

Non-exhaustive list of suppliers I relied on for this project:

]]>
http://paulosalem.com/2017/05/01/cats-with-lasers-the-mythos-entertainment-system-1/feed/ 0 259
12 dicas visionárias para o sucesso disruptivo http://paulosalem.com/2017/04/18/10-dicas-visionarias-para-o-sucesso-disruptivo/ http://paulosalem.com/2017/04/18/10-dicas-visionarias-para-o-sucesso-disruptivo/#respond Tue, 18 Apr 2017 07:21:26 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=53 Há uma sombra que ronda os espíritos humanos. É o espectro do fracasso. Felizmente, não faltam grandes exemplos de jovens visionários para mostrar o caminho do sucesso, como relatam famosas revistas de negócios por meio de dezenas de estrelas brasileiras nascentes. Esses verdadeiros apêndices ao Cruzeiro do Sul podem no início intimidar, mas basta abrir os olhos para ver que os louros estão ao alcance de todos. De fato, ao contrário do que se pensa, esse caminho é curto e simples, ainda mais no nosso país abençoado, desde que você realmente acredite no seu potencial e seja capaz de seguir estes 12 pontos cientificamente elaborados:

  1. Primeiramente, não construa nada nem seja original, mas pareça construir algo nunca dantes visto. Ninguém que efetivamente trabalhe tem tempo para parecer um sucesso — e uma aparência suficientemente lapidada é simplesmente indistinguível do objeto legítimo.
  2. Seja rico e, na medida do possível, também belo. Falhando isso, invista pesadamente na sua própria monstruosidade, faça da sua pobreza ou deformidade uma virtude, coloque-se como a filha do lodo, a princesa dos esgotos, que, apesar de tudo, venceu o mundo.
  3. Não ganhe dinheiro, ganhe popularidade. Você sempre pode enganar um próximo cliente ou investidor se continuar popular, mas se buscar primeiramente o lucro estará constantemente a um passo do precipício definitivo. Lembre-se também que é de mau gosto falar em dinheiro e você não quer ter mau gosto.
  4. Adote algum grupo oprimido pelo qual lutar, preferencialmente que não esteja já na alçada de alguém, encontre seu nicho de mazelas. Indigne-se com a condição miserável desses infelizes, aumente tudo o que puder, grite com quem não quiser ouvir, escreva a história de suas desgraças. Em suma, reclame incessantemente e mostre que você é de algum modo a solução dessa tragédia humanitária. Se você for um deles, tanto melhor, tem-se junto uma história de superação.
  5. Palavras têm poder. Use algumas dessas regularmente e de modo enfático: empoderamento, disruptivo, social, sinergia, exponencial, transformativo, visionário, líder, ágil, lean, inovador, revolucionário. Há muitas outras, com variados graus de pervertibilidade, e você mesmo pode inventar seu léxico evangelizador. Seja qual for sua preferência vocabular, nunca se esqueça de afirmar para quem quiser ouvir (e para quem não quiser também) que você está aqui para mudar o mundo, nada menos do que isso servirá para alguém tão motivado quanto você.
  6. Não seja óbvio, não permita que penetrem nas profundezas do seu plano e do seu ser. Nada deve fazer sentido e ainda assim tudo deve ser coerente. Ninguém admira aquilo que é capaz de compreender e a razão é simples: o impossível é evidentemente mais valioso do que o possível.
  7. Venda esperanças vagamente plausíveis, mas fundamentalmente falsas. Prometa uma educação completa em apenas uma semana intensa, uma cura repentina à base de frutos exóticos, um iminente apocalipse movido a inteligência artificial ou um sucesso genérico em 12 passos bem trilhados. Só é improvável aquilo que não se pode afirmar com convicção. A racionalidade humana é uma conhecida superstição.
  8. Não tenha preconceito contra o verdadeiro. Para ser resiliente, o portfolio ideal inclui um pouco de tudo. A mentira é a espada que lhe abre o caminho, a verdade é o escudo que lhe protege dos sensatos. O cão que morde sempre tem uma cauda para abanar em caso de necessidade.
  9. Invente um passado interessante e exagere qualquer coisa respeitável que tenha feito. Se você fez um curso online de Stanford no YouTube, repita sempre que estudou em Stanford e insista que a educação lá é muito melhor do que a da USP; se seu pai alguma vez lhe disse algo que lhe deixou triste, conte como sua infância foi dolorosa e nela encontrou sua motivação transformativa; se comeu um yogurt no escritório da Apple ou do Google, proclame que isso mudou seu entendimento da sociedade para sempre.
  10. Existe o Bem e o Mal. Você é o Bem, portanto seus opositores são o Mal. Quem poderia ser contra a saúde disruptiva? Contra a eliminação exponencial da fome? Contra a sinergia entre o social e o capital? Contra o empoderamento dos humildes? Ninguém, exceto Satanás.
  11. Contrate uma boa assessoria de imprensa. A crença na queda do jornalismo profissional por conta da Internet é um grande engano. Nada impulsiona mais uma carreira do que um jornalista deslumbrado com seus feitos, por menores que sejam, principalmente quando lhe são narrados via um email de alguém bem conectado e um follow-up telefônico gentil.
  12. Finalmente: sintetize todo o seu sistema com um derradeiro passo, um guia para seus fiéis. Relate a sua luta e faça dela a luta de todos. Escreva listas com dicas milagrosas para fácil consumo das massas. Porém, jamais publique algo efetivamente sério ou com sabores intelectuais genuínos; em particular, nunca faça referências a Nietzsche. Fuja, sobretudo, de qualquer rigor acadêmico, científico ou técnico.

Há quem se arrisque a seguir apenas algumas dessas dicas fundamentais, resultando em diversos níveis de triunfo e tragédia. Porém, como disse um santificado par de especialistas dos negócios lean, o caminho para o sucesso é bem viajado e bem compreendido. Existe um caminho verdadeiro e repetível para o sucesso. Essas simples dicas, se seguidas por inteiro, formam o elusivo caminho infalível. O fracasso, portanto, só pode ser culpa sua.

]]>
http://paulosalem.com/2017/04/18/10-dicas-visionarias-para-o-sucesso-disruptivo/feed/ 0 53
Listening to music properly http://paulosalem.com/2017/04/09/listening-to-music-properly/ http://paulosalem.com/2017/04/09/listening-to-music-properly/#respond Sun, 09 Apr 2017 17:07:20 +0000 http://paulosalem.com/?p=245 I’m not a big fan of video courses. I do take them sometimes, but I still think that written text — books and articles — is a superior medium for study. The reasons are numerous. For instance, it is easier to search and highlight important passages; it allows a more natural way to pause and reflect; it is suitable for reuse, composition and annotation. There are a few topics, however, that are not suitable at all for the printing press. This is the case of music.

I’ve enjoyed classical music for many years without any proper introduction to it. I normally buy books on subjects I like but do not master, however music is not so easily conquered. Books on the topic are either too technical, designed for the professional musician, or entirely useless in themselves. To understand sound one must hear, not see. So I was very glad when I found out about online courses on this very topic. In particular, Yale offers a class on listening music, which is exactly what I’ve been searching for years. The whole course is available on YouTube.

Beautiful things are valuable in themselves, but knowledge of the subject matter only enhances one’s appreciation. I’m pretty sure this is true of painting, and I suspect it is true of music too.

 

 

]]>
http://paulosalem.com/2017/04/09/listening-to-music-properly/feed/ 0 245
French TV overseas tip http://paulosalem.com/2017/03/29/french-tv-overseas-tip/ http://paulosalem.com/2017/03/29/french-tv-overseas-tip/#respond Wed, 29 Mar 2017 00:51:49 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=99 Like many other francophones outside French-speaking territories, I’ve had some difficulty to keep my French sharp. Contrary to English, which I use on a daily basis for both work and fun, French remains entirely a luxury, albeit one I value very much. I’ve learned a few tricks, though. In particular, for training my ears, I often watch French TV online. This is not as easy as it sounds, however, because like many similar services in other countries, such programs are geographically protected, which means normally one cannot watch them outside France itself.

There’s an easy solution to this: use a Virtual Private Network (VPN) that has servers in France (or any other country with similar restrictions) and then access the Web as if you were in the chosen territory. I use Overplay, but there are numerous other providers. They are all paid, but well worth the little money you put in.

Once you complete this step, you can access a lot of free content. I enjoy mainly these:

  • pluzz.francetv.fr, which includes content from France 1, 2, 3, 4 and 5.
  • ARTE, which is a Franco-German channel and has a number of unique shows and documentaries.

As often as possible, I try to get my daily or weekly news from one of these sources instead of my local news channels. I’ve found that this is a great way to incorporate a little bit of France (or whatever country one happens to be interested in) in my daily life in a very natural way. And because it is natural, it quickly becomes a habit. By the way, fans of the BBC living outside the UK can employ the same strategy using BBC’s iPlayer, which makes all of the excellent BBC channels available online. The same thing applies to Portugal’s RTP. I suppose other countries have similar offerings and restrictions.

It is hard to understand why anyone would bother to block public content that is not exported anyway (I’d gladly pay). I guess it is just a default policy nobody really though hard about. After all, to make all of this content available can only serve to the rayonnement de la France that the French seem to want so badly. In any case, I hope this simple tip may help someone out there eager to train their French or other language of choice more often.

]]>
http://paulosalem.com/2017/03/29/french-tv-overseas-tip/feed/ 0 99
Deep Learning course http://paulosalem.com/2017/03/27/deep-learning-course/ http://paulosalem.com/2017/03/27/deep-learning-course/#respond Mon, 27 Mar 2017 00:23:09 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=89 Jeremy Howard’s Deep Learning course is probably the best one available today on the Web. If you’d like to know how to use the state-of-the-art in neural networks as fast as possible, this is it. I’am having a lot of fun. (Thanks for the tip, Herrmann.)

If you have no idea what “Deep Learning” is, you might want to read this Nature article.

]]>
http://paulosalem.com/2017/03/27/deep-learning-course/feed/ 0 89
O ódio criativo http://paulosalem.com/2014/07/07/o-odio-criativo/ http://paulosalem.com/2014/07/07/o-odio-criativo/#respond Mon, 07 Jul 2014 15:14:05 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=31 O ser humano é uma criatura de hábitos. Ainda que pregue a mudança e o progresso, e realmente seja capaz disso, precisa antes vencer a inércia que o carrega quase que inconscientemente. Essa tendência para o regular manifesta-se de muitas formas, uma das quais ganhou notoriedade histórica durante a Revolução Industrial: o ódio pelas máquinas, encabeçado pelo que ficaria eternamente conhecido como Ludismo. Longe de estar arquivado por definitivo nos anais da História, um ranço semelhante ainda persiste hoje. Deparei-me com ele nas últimas semanas e dei-lhe um nome: é o ódio criativo.

Os fatos históricos concretos são bem conhecidos, mas por si só são inúteis. Sua interpretação faz toda a diferença e mostra como a nossa percepção da realidade é embebida em teoria. Assim, há ao menos dois modos de ver os eventos do século XIX: (i) máquinas mais avançadas começaram a tomar o lugar dos operários, que, temendo uma redução intolerável em sua qualidade de vida, reagiram destruindo-nas; ou (ii) máquinas mais eficientes aumentaram a produtividade do operário individual, liberando grande parte deles para novas aplicações, além de terem reduzido o custo dos bens de consumo para esses mesmos operários, embora boa parte dos trabalhadores afetados tenha sofrido com a mudança e reagiu destruindo o elemento local que mais diretamente parecia atacá-lo, as novas máquinas. A interpretação (ii) mostrou-se correta com o tempo, mas é fácil compreender por que o operário ludita não a viu: basta comparar o tamanho e a sofisticação de cada frase.

A destruição das máquinas industriais parece ter ficado no passado. Hoje são poucos os que defendem sua aniquilação, e menos ainda os que não se maravilham com o progresso rápido que a engenharia mecânica e eletrônica tem feito nas últimas décadas. O operário de hoje quer no máximo abocanhar parte dos lucros que elas produzem, ao invés de almejar a redução dele e seu patrão a um estado comum mais pobre e manual.

Todavia, como já se disse muitas vezes antes, hoje passamos por uma nova revolução. O nome definitivo que levará ainda está em aberto, mas por enquanto é conhecida como a Revolução da Informação. O que os teares, esteiras, polias e engrenagens fizeram para a produção de bens físicos no século XIX, hoje os computadores e as redes de comunicação fazem para a produção de bens intelectuais. Mostrando que plus ça change, plus c’est la même chose, esta revolução segue por um caminho curiosamente parecido. Examinemo-lo mediante um exemplo concreto de seus primórdios: a prensa de Gutemberg.

Sim, a mecanização da informação no mundo ocidental como o conhecemos não começou com os computadores do século XX, e sim com os tipos do século XIV. Como é tão comum com as tais revoluções, suas sementes são espalhadas por séculos até que um vento favorável as leve para o primeiro plano da História. Poucas coisas são mais lentas do que uma revolução digna do nome. E como toda revolução econômica, essa também deve ter causado estragos temporários: imaginem quantos copistas perderam seus empregos.

Seguindo nessa tradição, alcançamos outro invento, a máquina de escrever. Menos eficiente para grandes volumes, mas incomensuravelmente mais prática para o uso do escritor individual, o registro esporádico e até para a elaboração inicial das idéias destinadas à prensa. Um salto de produtividade para a mente, sem dúvida — mas o início da lenta morte da grande arte da caligrafia [1].

Chegamos então ao computador pessoal moderno, fronteira na qual estamos. Quase ninguém mais usa máquinas de escrever, os processadores de texto (como Word da Microsoft) tomaram-lhe o lugar. Geralmente vê-se nisso um grande progresso. Eu vejo um anacronismo. O problema pode ser compreendido se observarmos que um computador é mais do que uma máquina que aumenta nossa produtividade intelectual; trata-se da máquina mais sofisticada possível para isso, no passado, presente e futuro. Esse é um resultado básico em Computação [2], normalmente relegado aos círculos acadêmicos, mas de importância prática enorme: certamente não é possível que a melhor aplicação para o ápice da conquista ferramental humana seja simular uma grosseira máquina de escrever — que é essencialmente o que faz um processador de textos como o Word.

Ninguém realmente quer uma máquina de escrever digital. O que as pessoas querem é poder se exprimir de modo eficaz, trazer ao mundo suas idéias de modo organizado e eficiente. Esse é o propósito real por trás desse software tão corriqueiro, mas que permanece oculto porque foi concebido sem a idéia explícita de dar suporte ao intelecto do usuário (bastou-lhes dar suporte aos dedos e olhos) [3]. É necessário explicitar e investir nesse propósito maior e mais nobre, a batalha pelo futuro trave-se aqui.

Quando criei o Liberalis, mantive esse princípio em mente. A razão pela qual o meu usuário não pode “desenhar” a aparência do site não é preguiça minha, mas uma decisão crucial: o usuário deve se preocupar apenas com a informação que deseja transmitir (seu currículo, seus serviços, suas idéias, etc), e é responsabilidade da ferramenta dar a melhor aparência possível para essa informação. Nesse espírito, testei diversos motes para chamar a atenção do visitante na homepage. O que ganhou (i.e., o que fez mais pessoas criarem uma conta) foi este: “Esqueça programadores, designers e artistas. No nosso sistema, tudo é automático, simples e rápido” [4]. Não apenas encaixa-se perfeitamente na filosofia descrita acima, como também atende aos anseios dos consumidores. Ou seja, um lema excelente. Não obstante, foi aqui que me deparei com os herdeiros do Ludismo.

A maior parte dos consumidores que alcanço é muito receptiva a essa abordagem. Nas última semanas, porém, um dos meus anúncios no Facebook, destinado a freelancers, chegou à classe dos “designers e artistas”. Não me passou pela cabeça que alguém poderia ficar ofendido com ele, posto que, comprovando ainda mais a hipótese inicial, foi um dos mais eficazes na categoria. Como pode ser visto em alguns dos comentários na figura abaixo, me enganei.

Se a propaganda dissesse que os programadores, artistas e designers são, digamos, todos picaretas, seria natural sentir-se ofendido. Mas tudo que o anúncio diz é que você não precisa deles para fazer um certo tipo de coisa (a saber, criar seu site de divulgação profissional). O motivo não é especificado, embora as qualidades do sistema sejam exaltadas em contraste com a contratação de serviços sob medida. Cada cliente que clica no anúncio e se registra no sistema tem seu motivo: uns porque serviços sob medida são caros, outros porque tiveram experiências ruins no passado, e outros simplesmente porque têm pressa e não querem complicações. Não foi, pois, exatamente a um sentimento de simples ofensa que os indignados reagiram. Foi o medo primal da obsolescência, o mesmo sentimento selvagem que guiou os luditas quase duzentos anos atrás. Não quebraram os servidores porque não podem, mas desabafaram sua raiva. “Nós, programadores, designers e artistas, somos essenciais, damos forma e função ao mundo, trazemos as idéias à vida; como alguém ousa sugerir que podemos ser substituídos?” Eis o ódio criativo.

Assim como os luditas, essas pessoas não só estão sendo guiadas por motivos escusos, mas sobretudo estão agindo contra seu próprio interesse de longo prazo. O que não percebem é que a capacidade de um programador, designer ou artista é muito mal aproveitada na confecção de artefatos funcionais concretos particulares, artesanais. Assim, não se trata de subsituí-los, mas de elevá-los a um novo patamar de possibilidades criativas, liberando-os das tarefas de baixo nível que agora as máquinas conseguem cada vez mais fazer. Por exemplo, ao invés de definir um design — entendido aqui em seu sentido amplo, que inclui aspectos de software e de arte — particular, o designer desse futuro que vislumbro poderá definir uma família de designs, empregando alguma espécie de técnica algorítmica para tanto. Sua criatividade ainda será fundamental, mas resultará não em um único bom resultado, e sim em cententas, milhares, ou até milhões, com apenas algumas horas de trabalho. Será uma criatividade de alta ordem, exponencialmente mais poderosa e produtiva. Essa será a norma, existirão ferramentas para tornar esse processo corriqueiro, e quase ninguém olhará para o passado com muita saudade. O design artesanal ainda existirá, mas estará restrito a alguns nichos e eventualmente será um luxo extravagante, mais ou menos como a caligrafia é hoje.

 

Algumas pistas desse futuro já podem ser vista, especialmente no tocante ao desenvolvimento de software para vários dispositivo diferentes. Por exemplo, há um esforço para que o mesmo programa que é exibido num desktop possa ser automaticamente adaptado e mostrado num dispositivo móvel como um smartphone, que tem características físicas bem diferentes [5]. Afinal, geralmente é mais barato fazer apenas um programa do que dois ou mais. Isso exige do designer um pensamento mais abstrato. É um começo humilde, mas evidencia as pressões econômicas que impulsionam o progresso.

No que se refere a mim, vejo o Liberalis como apenas um esboço nesse sentido, mas meu desejo é seguir cada vez mais nessa direção, principalmente com novos produtos. Os que escolhem esse caminho não são necessariamente oponentes dos criadores tradicionais, mas seus aliados em potencial. Eu particularmente tenho grande respeito pelos melhores entre eles e sei que há algo de intangível em seus espíritos, que dificilmente será reproduzido por meios artificiais [6], mas que sempre pode ser auxiliado. Há aqui ainda uma outra excelente possibilidade de colaboração, visto que o próprio processo criativo pode ser, ele mesmo, projetado e equipado com criatividade. Portanto, esse ódio que observei já nasceu obsoleto e está condenado à implosão; aceleremos esse processo! Somos mais fortes juntos.

 

Notas

[1] Da qual, devo dizer, sou um adepto. Não levei minha educação nesse sentido muito longe, mas sou orgulhoso do que aprendi e aprecio uma boa caligrafia. Me entristesse ver essa arte definhar.

[2] Me refiro aqui à Tese de Church-Turing, pela qual acredita-se que todos os mecanismos de computação geral imagináveis são essencialmente equivalentes com relação ao que conseguem computar.

[3] Existem sistemas menos conhecidos que seguem nessa linha mais inteligente, sobretudo permitindo a separação da apresentação do conteúdo. Um deles é o LaTeX, famoso na Ciência da Computação, mas desconhecido do público em geral. Não obstante, essas ferramentas ainda têm problemas fundamentais, e mesmo as capacidades que já oferecem ainda são de uso difícil para um usuário comum.

[4] Duas outras alternativas foram “Nosso objetivo é lhe fornecer as ferramentas necessárias para tornar-se independente na Internet.” e “Neste exato momento, alguém está procurando por profissionais como você na Internet. Seja encontrado.”

[5] Com relação a páginas da Web, isso é muitas vezes chamado de responsive design hoje em dia.

[6] Provavelmente não antes do problema maior da inteligência artificial forte ser resolvido.

]]>
http://paulosalem.com/2014/07/07/o-odio-criativo/feed/ 0 31
A unidade bem e mal aplicada na indústria http://paulosalem.com/2014/06/24/a-unidade-bem-e-mal-aplicada-na-industria/ http://paulosalem.com/2014/06/24/a-unidade-bem-e-mal-aplicada-na-industria/#respond Tue, 24 Jun 2014 04:16:52 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=29 Expliquei anteriormente a importância do princípio da unidade. Resumidamente, a unidade de uma composição refere-se ao grau com que seus diversos elementos combinam-se para produzir um efeito total maior do que o que seria possível pela mera justaposição deles. Trata-se de algo importantíssimo, mas freqüentemente esquecido, tanto na vida particular quanto no ambiente organizacional. Vale a pena agora examinar alguns exemplos célebres da relevância prática do princípio. Comecemos pelo que é talvez o maior e mais conhecido caso de sucesso, a Apple.

Até meados dos anos 1990, a empresa era conhecida quase exclusivamente por seus computadores desktop. Quando Steve Jobs voltou de seu exílio e quis colocar a empresa nos eixos, continuou nessa linha e veio com os iMacs, que foram bem-sucedidos e levandaram a empresa do abismo. Ao invés, porém, de meramente insistir nessa direção, lançaram um tocador de músicas, o iPod, que veio a dominar o mercado. Nisso já vemos algo estranho: são mercados totalmente distintos, exceto pelo fato de ambos usarem eletrônicos; a princípio, poderiam ter lançado um barbeador e faria o mesmo sentido. O que os uniu? O software iTunes, que rodava nos iMacs e fazia a ponte com o iPod. No meu entendimento, com essa jogada a Apple deixou de ser uma “empresa de computadores” e passou a ser uma empresa de “estilo de vida digital”, cujos produtos cooperam visando esse fim maior [1]. Eis aí o que lhe deu unidade e mudou sua sorte definitivamente.

Poder-se-ia imaginar que tratou-se de mero acidente. Mas o lançamento posterior do iPhone, outro sucesso, mostrou que de fato havia um princípio organizador agindo. É revelador que a Apple manteve o nome “iTunes” em seu software de compras, embora a essa altura o programa já vendesse muito mais do que músicas (“tunes”), passando de vídeos até softwares para o novo portátil (e hoje em dia até para os desktops). Poderiam ter renomeado a coisa, mas evidentemente apostaram na continuidade, usaram um elemento de peso para fortalecer toda a composição. Deu certo.

O Google é outro exemplo feliz. Nasceu como um buscador de páginas da Web superior e logo se espalhou para outros ramos, notoriamente com seu sistema de emails, o Gmail. Uma característica interessante deste último é seu uso de buscas sofisticadas aplicadas aos emails dos usuários. Mais do que isso, porém, ambas as iniciativas seguem o mote central da companhia, que é declaradamente “organizar as informações do mundo e torná-las universalmente acessíveis e úteis”. Com isso em mente, pode-se compreender como os diversos produtos da empresa se relacionam num todo coeso. Penso, no entanto, que há algo ainda faltando nessa fórumula. Como, por exemplo, expllicar os carros autônomos que estão desenvolvendo? Eu suspeito que os executivos da empresa têm, sim, um fim unificador em mente, que permanece um tanto misterioso para quem vê de fora. Mas nada garante o sucesso último da estratégia [2].

Quando falo em unidade, tenho em mente algo informal, que como tal requer alguma coisa intangível para ser bem aplicada. Fica fácil usá-la mal, mesmo para quem tem alguns bilhões de dólares disponíveis [3]. E uma vez que a unidade de uma composição determina largamente seu valor final, os riscos envolvidos são consideráveis, quiçá existenciais.

No mesmo contexto dos exemplos anteriores, aqui podemos tomar o design do Windows 8 da Microsoft. A idéia em sua forma abstrata soa boa: reduzir os elementos da interface gráfica a componentes que possam ser usados tanto em desktops quanto em outros dispositivos, principalmente celulares e tablets. Sua implementação, contudo, foi catastrófica: uma quimera que mistura o que dá certo no desktop com o que funciona nos tablets, resultando numa aberração que até o usuário final comum reconhece como horrenda. E digo isso como alguém que aprecia a nova interface que a Microsoft criou, desde que isolada e num dispositivo tátil. O problema é que ela conflita com os mecanismos tradicionais. Há aqui um resultado geral importante: se A é algo bom e B também, isso não significa que A + B o será. Em Computação, dizemos que essa soma não é composicional. Muitas coisas na vida não o são [4].

Citei exemplos famosos porque quase qualquer um pode compreendê-los. Todavia, não é difícil ver o princípio aplicado, bem e mal, em muitos outros casos. Da próxima vez que entrar numa loja, mercado ou algum outro estabelecimento, tente pensar no que unifica todas as ofertas — especialmente quando alguma delas for inusitada. Faz sentido, digamos, um mercado oferecer cartões de crédito? Mais importante: nas suas próprias empreitadas, seus esforços se somam em algo maior ou se diluem mutuamente? A resposta não é fácil, é necessário prática e reflexão para elaborá-la, principalmente porque antes de tudo convém descobrir o que faz de você alguém único e valioso [5].

 

Notas

[1] Paradoxalmente, esse é um dos motivos pelos quais eu prefiro ficar longe dos produtos da Apple, apesar de reconhecer suas virtudes. Quando você compra um Mac, não está adquirindo apenas um computador, mas também um (caro) estilo de vida. Abri apenas uma exceção para o iPad, para o qual não encontrei nenhum substituto à altura (por causa das proporções da tela, é um melhor leitor de PDFs).

[2] Assim como numa obra de arte, a execução final, os detalhes, e até mesmo a sorte, são fundamentais. O sucesso atual da Apple nos faz esquecer um pouco que o ethos da empresa não mudou muito desde o tempo em que quase fechou as portas. O iPhone e iPad atuais, por exemplo, são reiterações bem executada de produtos anteriores fracassados, como o Newton, todos frutos de idéias bem pensadas. Confira estes vídeos conceituais da Apple antiga.

[3] Ineficiências dessa espécie são uma mina de ouro para empreendedores. Numa sociedade livre, embora a prosperidade normalmente seja generalizada, é difícil ficar no topo por muito tempo.

[4] Tente sugerir a um francês misturar vinho tinto com vinho branco para produzir um rosé.

[5] Os gregos antigos pareciam ver tanta importância e dificuldade nisso que resolveram transformar o sensato conselho em dogma religioso. A máxima “conhece-te a ti mesmo” virou assim uma exortação pública, inscrita em pedras no famoso Templo de Delfos. A inscrição em si já desapareceu, mas as ruínas do Templo continuam lá, num dos lugares mais majestosos e inspiradores que já visitei.

]]>
http://paulosalem.com/2014/06/24/a-unidade-bem-e-mal-aplicada-na-industria/feed/ 0 29
Princípios de composição para além do papel. Ou: você sabe a diferença entre harmonia e unidade? http://paulosalem.com/2014/06/03/principios-de-composicao-para-alem-do-papel-ou-voce-sabe-a-diferenca-entre-harmonia-e-unidade/ http://paulosalem.com/2014/06/03/principios-de-composicao-para-alem-do-papel-ou-voce-sabe-a-diferenca-entre-harmonia-e-unidade/#respond Tue, 03 Jun 2014 08:35:23 +0000 http://ec2-52-14-172-109.us-east-2.compute.amazonaws.com/?p=27 Um bom desenho ou pintura, embora sejam expressões de criatividade, não estão livres de estruturas bem definidas. Algumas, como a forma humana, são difíceis de se formular com precisão. São necessários anos de observação e prática para se aprender os segredos que elas guardam. Felizmente, outras são mais acessíveis. Tenho em mente aqui os princípios de composição gráfica e quero mostrar como a utilidade deles pode ir para além da estética.

A melhor exposição desses princípios que conheço está no livro Watercolor for the Serious Beginner. Na página 37 a autora os introduz de modo breve e incisivo no contexto da pintura. Numa composição, o tipo e posição de seus vários elementos são estabelecidos observando-se diversas propriedades das relações entre eles. Não se trata de formular precisamente essas relações, mas apenas de manter o artista atento aos efeitos das escolhas que faz. Mais importante, não apenas o artista: rapidamente me ficou clara a possibilidade de se aplicar desses princípios de design na vida como um todo. São, com efeito, verdadeiros princípios éticos [1].

Tomemos um princípio famoso e fácil de se compreender, o equilíbrio. Se um dos lados do desenho contém muitos ou grandes elementos e o lado oposto contém poucos ou pequenos, há algum desequilíbrio. A transposição para o ético é evidente: se você trabalha muito e se diverte pouco, o uso das suas horas não está equilibrado. Observe que isso não é uma norma; o fato de estar desequilibrado não é, em si, bom ou ruim. A maior parte das pessoas provavelmente não aprovaria essa atitude em geral, mas há quem o faça com entusiasmo. Poucos negariam que um pouco de desequilíbrio ajuda a tornar as coisas menos monótonas. E, de qualquer forma, há situações em que o desequilíbrio é universalmente desejado, como quando se responde a uma emergência.

 

O princípio do conflito é um pouco mais complexo. Elementos conflitam sob duas condições. Em primeiro lugar, claro, precisam ser elementos de algum modo diferentes, como um círculo e um quadrado. É ainda necessário, porém, que essa diferença seja interessante. Uma árvore e um arbusto não conflitam. Uma árvore e uma duna conflitam. Conflito gera tensão. Mas quem gosta de tensão? Ora, todo apaixonado, que tem “com quem nos mata, lealdade”.

Com apenas esses dois princípios já podemos ver uma relação lógica curiosa. Conflito implica em desequilíbrio, embora o contrário não seja verdade (i.e., o desequilíbrio pode ser causado por elementos do mesmo tipo). Claro que há também uma ambigüidade constante, já que com criatividade suficiente é possível argumentar que uma relação desequilibrada tanto é quanto não é conflituosa. Isso não é necessariamente ruim. O propósito do discurso (interior) não é ganhar um debate, mas apenas fornecer sementes para a imaginação. São e precisam ser maleáveis para servir a esse fim.

O mais interessante começa quando chegamos ao princípio da harmonia, pelo qual os elementos se assemelham em algum aspecto importante. Uma tela com figuras variadas, mas todas azuis e curvilíneas, por exemplo. E o que seria, digamos, uma sociedade harmoniosa? Numa composição harmônica, cada componente leva sua existência sem atrapalhar os demais, mas mantendo algum vínculo comum. Uma sociedade composta de pessoas bem diferentes pode ser vista como harmoniosa se a diferença for pacífica e se houver algo comum, como leis, tradições ou costumes. Não se trata, portanto, de uma pura ausência de conflito, embora um sistema muito harmonioso seja pouco conflitante (eis aí outra relação lógica).

 

A harmonia social é muitas vezes tida como o objetivo social supremo, e não apenas no mundo ocidental. A julgar pelos documentários que ando vendo, é assim na tradição chinesa também. Todavia, me parece que essa exaltação é um tanto mal direcionada. A razão é um outro princípio de composição menos conhecido, a unidade. Temos unidade quando os vários elementos do sistema não apenas coexistem com certa harmonia, mas também cooperam para atingir um fim comum maior. Normalmente esse é o princípio que rege todos os outros, posto que o artista geralmente deseja transmitir uma mensagem central em cada obra (e às vezes no próprio conjunto de obras).

Ao refletir explicitamente a respeito, me dei conta de que muita gente confunde unidade com harmonia, e esse é um erro fatal. Há quem divida o tempo em coisas muito diferentes, como hobbies dos mais variados e projetos profissionais com poucas relações entre si. Diz a sabedoria popular que “é bom variar”. Sinceramente, concordo. Porém, há um preço a se pagar, pois o dia tem apenas algumas horas e a vida se apaga em poucos anos. Isso vale tanto para pessoas quanto para sociedades inteiras, mas aqui me retenho ao indivíduo, átomo da composição social do qual tudo o mais depende.

É perfeitamente possível levar uma vida harmoniosa, tranqüila, socialmente invejável, e mesmo assim estar insatisfeito, sem nunca compreender o que falta. Ter um bom emprego, uma família simpática, uma linda casa — e se suicidar ao cabo das férias na Disney. Acho justo dizer que a maior parte das pessoas com boa educação anseia por fazer algo relevante com suas existências. Para tanto, estariam melhores se vissem suas vidas mais como obras de arte do que como prateleiras de supermercado (esposa, filhos, trabalho, papel toalha). Se assim o fizéssem, rapidamente topariam com a evidente necessidade de se trazer unidade ao cotidiano.

Atribuo essa situação mais à ignorância e ao acaso do que a operações sinistras de governos e outras organizações. Por outro lado, é preciso reconhecer que na idéia de unidade também reside o fundamento de todo regime totalitário (e.g, “um povo, um império, um líder”). Talvez pelo medo da energia social que o sentimento de unidade pode despertar, o discurso público tenha se distanciado de qualquer noção semelhante. Seja como for, já é tempo de se engrossar esse caldo moral que vem sendo agüado há décadas. A estagnação, e todas as mazelas que a acompanham, é o destino de uma sociedade sem indivíduos com propósitos fortes e ambiciosos.

Ao se estabelecer um tema de unificação, corre-se o risco de se perder a graça. Uma tela em branco não tem sentido, mas representa a unificação por excelência [2]; o nada é incomensuravelmente mais uno do que a multiplicidade da existência. A variedade que tanto se busca na vida é uma medida preventiva quanto a isso. Aqui, mais uma vez a comparação com a arte é útil. Não há regra para se produzir uma bela obra, mas apenas ferramentas, e essas só funcionam após muita experimentação. É preciso saber trabalhar com o inexato e fluído, reconhecendo sua fragilidade, mas também sua potencialidade. Isso é ainda mais relevante para quem tem uma formação principalmente técnico-científica.

De minha parte, tenho tentado escolher e posicionar minhas atividades e projetos de modo que possam se reforçar mutuamente. Precisei ignorar parte da minha curiosidade natural para ter mais foco, mas não por completo. Por exemplo, tenho grande interesse por design de linguagens de programação, e em parte isso implica em aprender novas linguagens. Assim, quando surge a necessidade de se implementar alguma nova ferramenta, avalio a possibilidade de fazê-lo numa nova linguagem também, atingindo assim dois objetivos simultaneamente. De modo mais geral, tenho tentado fazer coisa semelhante no desenvolvimento de produtos e pesquisas. Com isso, tenho produtos mais robustos e pesquisas mais relevantes. Agora há menos projetos inacabados e inúteis abandonados nos calabouços do meu computador, o que quer dizer que estou usando meu tempo de modo mais eficiente.

A princípio temi que essa prática pudesse ser demasiadamente limitante, mas o fato é que, até agora, serviu muito bem para satisfazer meu ímpeto criativo. Não me privei de criar e variar, apenas aprendi a escolher, entre as infinitas possibilidades, aquelas que melhor se encaixam na estratégia geral. É um grande preconceito supor que nossas idéias frívolas e arbitrárias são necessariamente mais criativas do que aquelas que emanam de uma estrutura pré-existente. O universo é demasiadamente rico para isso, onde quer que estejamos haverá algo interessante para ser explorado. Trata-se antes de uma falta de disciplina; e essa disciplina pode ser adquirida e levada longe, basta apenas aprender a ver as coisas sob a perspectiva da unidade resultante, sem esquecer de levar em conta os demais fatores — espécie de crescimento orgânico.

Há outros princípios de design: alternação, domínio, gradação e repetição. Não os explorarei aqui, mas os nomes já sugerem do que se trata [3]. Apenas com isso, neste ponto o leitor talvez já consiga relacioná-los com o que foi dito acima. Tal é o poder de conceitos que tão naturalmente estimulam a imaginação. Temos sorte de que algo imaterial como nossa conduta possa se valer de analogias plásticas, visíveis, na sua elaboração.

 

Notas

[1] Ética entendida aqui como o estudo da conduta da vida em geral. Isto é, no sentido aristotélico original (ver Ética à Nicômaco).

[2] Há quem considere uma tela em branco uma grande obra de arte, avaliação da qual evidentemente eu não compartilho. Infelizmente, esse tipo de aberração contribui para a má fama que as artes plásticas têm em alguns círculos.

[3] Além do livro que mencionei, é possível ler sobre isso na Internet também. As exposições, contudo, variam um pouco nos nomes e mesmo nas características dos vários princípios. Infelizmente, não consegui achar as fontes primárias dessas idéias. Eu agradeceria se alguém pudesse me apontá-las.

]]>
http://paulosalem.com/2014/06/03/principios-de-composicao-para-alem-do-papel-ou-voce-sabe-a-diferenca-entre-harmonia-e-unidade/feed/ 0 27